Exames desnecessários em crianças com problemas ortopédicos

Acessos: 184

A American Academy of Pediatrics e a Pediatric Orthopaedic Society of North America identificaram cinco procedimentos ou exames que podem ser desnecessários na avaliação de pacientes jovens com sintomas de quadril, pé e outras partes do sistema músculo-esquelético. De acordo com a lista, médicos e pacientes devem questionar algumas das abordagens seguintes:

1- Ultrassonografia de rastreio do quadril para descartar displasia congénita quadril em um recém-nascido que não tem factores de risco e quadril clinicamente estável.

A incidência de displasia/luxação do quadril é rara (7 por 1000 nascimentos), e os programas universais de rastreio usando ultrassonografia em lactentes sem anormalidades evidentes do quadril identificam poucos casos e têm uma taxa considerável de falso-positivos. Sem achados físicos ou factores de risco subjacentes,

Uma ultrassonografia do quadril tem custo, exige tempo, e os resultados podem ser enganosos para pais e médicos.

2- Radiografias ou aconselhamento de aparelho corretor ou cirurgia para uma criança com menos de oito anos que tem uma simples marcha nas pontas dos pés.

Esta condição geralmente reflecte a maturação esquelética em curso. A adução dos metatarsos, a ante-versão femoral, e a torção tibial contribuem para o desenvolvimento da condição, e estas tipicamente se resolvem com o crescimento.

A monitorização da marcha é suficiente em consultas de puericultura até a idade de sete ou oito anos, a menos que tropeços ou quedas sejam graves, ou a postura seja assimétrica. Fisioterapia, aparelho corretor ou palmilhas não podem alterar a maturação esquelética.

3- Órteses ou palmilhas não são apropriadas para uma criança com pés levemente planos ou assintomáticos, que são variantes fisiológicas normais.

A observação ou o uso de órteses que não requerem prescrição é suficiente para tratamento dos pés que têm um arco quando a pessoa está na ponta dos pés. Órteses personalizadas não afectam o desenvolvimento do arco.

4- Postergar estudos de imagem avançada (ressonância magnética ou tomografia computorizada) para a maioria das condições músculo-esqueléticas (lesão, dor, deformidade ou infecção) em uma criança até que todos os estudos clínicos, laboratoriais e radiográficos adequados sejam concluídos, incluindo considerar a história familiar.

Os riscos incluem a possibilidade de sedação (ressonância magnética), exposição à radiação (tomografia computarizada) e necessidade de um especialista para repetir o estudo (ressonância magnética). Se a propedêutica indicar necessidade de um estudo de imagem avançado, consulte um cirurgião ortopedista para confirmar a interpretação dos achados.

Não são necessárias radiografias de seguimento para fracturas em “torus” ou em “rodete” do antebraço que não apresentam dor. A imobilização com uma ligadura para punho ou uma tala removível comercial pode ser suficiente para essas fracturas em vez do gesso. A deformidade inicial remodela com o tempo. O tratamento visa principalmente o conforto do paciente.
Se o local não for mais doloroso 3 semanas após a lesão, as actividades normais podem ser retomadas e a radiografia de acompanhamento é desnecessária.

Dê sangue as Testemunhas de Jeová
Cadê o tratamento conservador das fracturas?

A crise dolorosa aguda da Gota trata-se com anti-inflamatorios (AINEs), com analgésicos, com boa hidratação e controlo dietético. Historicamente a Colchicina da bons resultados nesta fase. Os medicamentos que aumentam a excreção renal do acido úrico, como o Alopurinol (Zyloric), devem ser evitados na fase aguda pelo potencial dano renal. A vitamina C, como em outros distúrbios da fibra colágena, tem um papel importante.


Continue Reading

Leave a Comment

Your email address will not be published.