Acessos: 6046

A lombalgia afecta 80% dos pacientes com idade superior aos 40 anos
A lombalgia afecta 80% dos pacientes com idade superior aos 40 anos

As injeções de esteroides que são  amplamente usadas para tratar a dor de costas oferecem pouco ou nenhum benefício real, isto segundo um novo estudo praticado sobre 400 pacientes.

No estudo, pacientes  que receberam o fármaco combinado com o analgésico lidocaína não tiveram melhores resultados em medições de incapacidade ou da dor de pernas após seis semanas de tratamento do que o grupo de controle, que só recebeu injeções de lidocaína.

“Estas (injeções) são muito comuns e os esteroides geram riscos adicionais sem muito benefício”, disse a autora principal, doutora Janna Friedly, da University of Washington, Seattle. “Espero que os pacientes e seus médicos sejam mais cautelosos com seu uso” para o tratamento da estenose espinhal, adicionou.

A estenose da espinha lombar é um estreitamento do canal medular ao nivel das vertebras lombares inferiores. Isso comprime os nervos e causa dor, ela é a causa principal da cirurgia de coluna nos adultos maiores.

Supõe-se que a combinação dos esteroides glicocorticoides e um anestésico reduz a inflamação dos nervos na zona afectada. A cada ano, apenas o Medicar registra 550.000 procedimentos; cada injeção custa entre 500 e 2.000 dólares, o que não é barato.

“Este estudo questiona os benefícios das injeções epidurais com esteroides para tratar a estenose espinal”, opinou o doutor Gunnar Andersson, do Centro Médico da Rush University, Chicago, em um editorial sobre o estudo publicado no New England Journal of Medicine.

“É como se fosse mais difícil justificar o uso destas injeções para tratar a estenose espinal. Mas não demonstra que o tratamento não seja efetivo”, disse o doutor D. Scott Kreiner, copresidente da comissão que redatou as diretrizes da Sociedade Norte-americana de Coluna e que não participou do estudo.

O médico adicionou que a terapia “é moderadamente efectiva, não curativa, e que nem sempre seria suficiente para evitar a cirurgia em alguns pacientes”.

A equipe incluiu um grupo de médicos de 16 centros dos Estados Unidos. A metade utilizou injeções de lidocaína mais um de quatro esteroides: triamcinolona, betametasona, dexametasona ou metilprednisolona. A outra metade aplicou só lidocaína. Todos os pacientes podiam receber um segundo ciclo do tratamento.

Antes das injeções e após três e seis semanas da aplicação, os pacientes qualificaram seus níveis de dor em uma escala de 25 pontos (25 = máxima dor).

Após três semanas, o nível de dor média do grupo tratado só com lidocaína (grupo controle) diminuiu de 15,7 para 13,1 pontos, e para 12,5 pontos após seis semanas. O grupo tratado com lidocaína e um glicocorticoide começou o estudo com algo mais de dor (16,1) e foi o que mais alívio registrou após três semanas: 11,7 pontos e 11,8 após seis semanas.

A diferença não é estatisticamente significativa e poderia ser aleatória. O mesmo padrão se observou com a dor de pernas, mas com uma leve diferencia após três semanas que desapareceu após seis semanas.

Na pesquisa de satisfação, 67 por cento dos pacientes tratados com a terapia combinada disseram estar muito ou algo satisfeitos com o tratamento, versus 54 por cento do grupo controle.

Os usuários dos esteroides também melhoraram muito mais que o grupo controle em uma escala para avaliar a depressão, mas registraram mais efeitos adversos por pessoa (febre, infecção ou ambos em dois pacientes do grupo controle versus 10 pacientes tratados com lidocaína mais esteroide).