Por que deve proteger seu filho durante as radiografias

Acessos: 17

Quantas vezes levou seu filho ao médico e este recomendou fazer radiografias? Durante o exame, quando é que o técnico utilizou algum tipo de protector de radiações, principalmente na zona das gónadas do seu filho? Para quem não esta a par do assunto as gónadas são o lugar, onde os organismos pluricelulares, produzem as células da reprodução. Isto é nos testículos (homens) e nos ovários (mulheres).

As radiações são uma das principais causas de mutações que persistem até à terceira geração. Saiba que os RX, os exames radiográficos (vulgo chapas) utilizam radiações ionizantes por tanto são capazes de provocar mutação nas células. Tudo depende da intensidade, da frequência e do tipo de célula afectada durante o exame.

A Comissão Internacional de Proteção Radiológica em sua publicação 118 de 2012 definiu dose limiar como sendo a dose que causa reações teciduais em 1% dos tecidos irradiados. Por exemplo, o limiar da dose para provocar uma catarata foi estabelecido como sendo de 0,5 Gy. Foi proposto o valor de 0,5 Gy como limiar da dose para provocar doenças circulatórias. O Gray, abreviado de Gy, é a unidade da dose de radiação absorvida. A dose absorvida por um tumor durante uma sessão de radioterapia, por exemplo, é de 2 Gy. Uma dose de 4 Gy é letal, mata 50% dos seres humanos 30 dias após a irradiação.

Ainda não estão bem definidos quais são os reais riscos da irradiação de baixa dose, como é o caso da exposição nos exames radiográficos.

Entretanto, sabe-se que os riscos de aparecimento de efeitos biológicos não seguem um modelo de limiar, ou seja, eles não se manifestam a partir de um determinado valor de dose absorvida (Gy). Na verdade, existe sim um risco linear, significa que quanto mais vezes os tecidos são expostos, maiores são os riscos.

A sensibilidade de uma célula à radiação é determinada pela sua maturidade, pela taxa de reprodução e pela função dela. Células muito especializadas são mais vulneráveis as radiações. Células em constante reprodução são altamente sensíveis, podendo sofrer morte ou mutação mais facilmente. Tal é o caso das células presentes nas gonadas. São imaturas e se reproduzem constantemente para gerar novos indivíduos.

Assim sendo várias mudanças de actitudes se impõem no nosso meio. Primeiro o cuidado por parte dos médicos em recomendar exames radiográfico só quando for realmente necessário. Assistimos com demasiada frequência a requisições de exames com objetivo de acalmar a ansiedade dos familiares. As radiografias também são solicitadas com o único objetivo de evitar conflictos legais.

Os familiares devem também abandonar a ideia de que o médico só consegue diagnosticar se faz testes. Por exemplo, crianças com problemas ortopédicos nem sempre requerem de uma radiografia para um diagnóstico correcto do distúrbio. Alias, frequentemente a radiografia não aporta mais informação do que um bom exame físico. A radiografia é será sempre um exame complementar. Significa que serve para complementar a ideia diagnostica, não para gerar o diagnóstico.

Aos técnicos que fazem exames radiográficos é solicitada uma extrema sensibilidade neste aspecto. Não realizem o exame se não há condições para proteger eficazmente as estructuras mais radiossensíveis do paciente. Façam isso com a mesma firmeza com que exigem meios de proteção individuais para sim. Esta também deve ser uma preocupação dos familiares.

Exijam sempre a protecção dos seus filhos frente as radiações ionizantes durante os exames radiográficos. As partes que não fazem parte do estudo devem ser protegidas com aventais de chumbo, em conformidade com as diretrizes mundialmente reconhecidas.

Sobre Dr. Santiago Castillo Avila 57 artigos
Cirurgião Ortopedista. Especialista em Ortopedia Pediátrica CEO do ORTOCENTRO do Benfica Consultório CMA-Talatona. Tel: 935 556684 - 927 625 077 Luanda. Angola