Em analise

A eutanásia e a vida dos outros

Um dos temas mais debatidos na medicina contemporânea  é a eutanásia. O direito que deveríamos ter a por termo a nossa vida, quando o sofrimento ultrapassa a satisfação de viver.

Ainda estudante de medicina, tive como paciente um homem com neoplasia terminal do fígado. Tinha mais de 80kg de peso quando internou, perdeu quase a metade do peso em menos de um mês. Ficou com o abdómen brutalmente dilatado e o corpo magro quase esquelético. Ele recebia enormes quantidades de morfina por causa da dor. Chegou uma altura em que já era impossível aumentar a dose, estava no limite da toxicidade. Mesmo a quando aparentemente dormia era visível que a dor estava lá, implacável, irredutível.

Afectado pela situação, perguntei um dia ao meu professor se era possível parar com esse sofrimento tudo. Melhor não comentar a resposta que recebi. Finalmente e como era previsível, o paciente faleceu. Nos olhos da esposa, uma senhora estoicamente presente, me pareceu ver um sinal de alívio. Talvez em algum momento desta historia ela pensou igual a mim, talvez eu tenha interpretado mal seu olhar…talvez.

David Goodall
David Goodall escolheu quando e como finalizar sua vida

Em Maio deste ano, um cientifico australiano, de 104 anos deslocou-se à Suíça para por termo a sua vida. David Goodall, botânico e ecologista,  não sofria qualquer doença terminal. Simplesmente no dia do seu aniversário declarou que já não era feliz, que estava cansado de viver. Como na Austrália a eutanásia é crime, foi para à Suíça acompanhado e deu fim aos seus dias.

Embora o tema da eutanásia deixou de ser tabu, o assunto ainda é controverso na maioria dos países. Principalmente onde os princípios religiosos tem forte aderência dentro da sociedade.

A lei em alguns países defende o direito a rejeitar a transfusão de sangue nos testemunhos de Jeová. Ironicamente o mesmo sistema condena a eutanásia e penaliza a quem colabore com ela. Negar sangue a quem precisa é uma forma de eutanásia. Pode até ser uma eutanásia religiosamente aceite, uma eutanásia sem pecado, mas o resultado certamente é o mesmo.

O avanço da medicina, embora considerável, ainda não oferece a imortalidade. Nem sequer garante uma vida digna ate o final dos nossos dias. Quando consideramos que ela deixo de ter valores e a dignidade aceitáveis, merecemos poder escolher o nosso final. Não interessa a opinião dos outros, o que importa é a nossa vontade.

Preservar  a vida de outrem deve ter limite. O limite é o direito de cada um a fazer com sua vida o que bem entender, sempre e quando estas acções não interfiram com o direito dos outros.

Actualizado em 09/Janeiro/2019

About Dr. Santiago Castillo Avila

Ortopedia e Traumatologia |Consultório CMA-Talatona. |Tel: 935-556-684| Luanda. Angola
View all posts by Dr. Santiago Castillo Avila →

Deixe uma resposta