Acerca do projecto Ortopedia Sem Fronteiras.

Acessos: 266

Logo da Ortopedia Sem Fronteiras. Angola

Ortopedia Sem Fronteiras. Angola

Em abril da 1998, em Lund na Suécia, médicos especialistas em diversas áreas, preocupados com o impacto do ponto de vista da saúde pública e da população em geral, decidiram criar um plano de trabalho contínuo e mundial, no sentido de consciencializar a população a cerca das doenças músculo esqueléticas. Em Janeiro de 2000, na sede da Organização Mundial de Saúde, em Genebra na Suíça, foi formalmente lançada a “Década dos Ossos e Articulações – Movimento Articular 2000/2010”.

Até 2010, conseguiram-se grandes avanços em muitos países, nomeadamente na redução da sinistralidade rodoviária, na prevenção da osteoporose, na reabilitação das doenças músculo-esqueléticas, etc. Mais dada a magnitude dos problemas ainda por resolver foi declarada uma segunda década que actualmente decorre.

Por motivos vários nos não atingimos os objetivos da primeira década assim que vamos ter que redobrar os esforços para resolver os pendentes e concretizar os objetivos actuais, temos uma tarefa árdua e muito pouco tempo para se cumprir, 2020 está perto.

Foi nesta perspectiva que nasceu Ortopedia Sem Fronteiras (OSF), que tem como objetivo principal colocar ao alcance de todos os angolanos os serviços médicos e cirúrgicos do foro ortopédico, assim como melhorar os conhecimentos e a preparação dos médicos e técnicos do atendimento primário, porque são eles o suporte principal da saúde pública.

A SAOT, Sociedade Angolana de Ortopedia e Traumatologia, tem desenvolvido encontros científicos frequentes em diferentes instituições, sendo alguns realizados fora da província de Luanda. Neste contexto os congressos da sociedade, que se realizam anualmente, seguem uma rotatividade das cidades sedes como forma de incentivar o interesse nos problemas do foro ortopédico nas diferentes regiões do país.

Outro elemento importante tem sido a utilização das novas tecnologias de informação, principalmente da Internet, para o melhorar o intercâmbio de conhecimentos, no apoio aos profissionais que trabalham no interior do país e como suporte na formação dos novos ortopedista. A iniciativa OSF, já tem um grupo de trabalho no Facebook (https://www.facebook.com/groups/osfangola/) que embora dá os primeiros passos já conta com alguma participação interessante assim como um acervo de casos clínicos e bibliográficos.

Pacientes operados no projecto OSF

Pacientes no projecto OSF

Actualmente temos uma colaboração com a Igreja Evangélica Sinodal de Angola (IESA). Esta é dirigida, principalmente, ao tratamento cirúrgico dos pacientes com graves sequelas no aparelho locomotor que são assistidos nos dois hospitais dessa instituição, um situado na cidade de Lubango e o outro no município de Caluquembe. Neste último foi realizado em Novembro, nos dias 5,6 e 7, um seminário sobre o tratamento das fracturas em crianças.

Em novembro foi também a nossa 4ta jornada, a ultima do 2015 e trabalhamos aproximadamente 9 dias no CEML, operamos mais de 20 pacientes com diversas fracturas e problemas ortopédicos. Temos programada a primeira visita do 2016 para Janeiro.

O projecto OSF é uma iniciativa não lucrativa aberta para todos os interessados em melhorar a qualidade da assistência médica dos pacientes com distúrbios músculo-esqueléticos em Angola, principalmente os que vivem em zona remotas e consequentemente mais desfavorecidos. Médicos de outras especialidades, estudantes, fisioterapeutas, empresários, são bem-vindos. Nosso interesse é cumprir com os objetivos traçados pela OMS para esta década e principalmente e ir ao encontro das palavras do Dr. Agostinho Neto, quando diz: “O mais importante é, resolver os problemas do povo”

Então, queres participar…?

O pouco impacto dos ataques terroristas em Africa nos meios de comunicação social
O tratamento sustentável das fracturas em tempo de crise.

Leave a Comment

Your email address will not be published.